A Estrela Oculta do Sertão

A ESTRELA OCULTA DO SERTÃO


É um documentário de 2005, dirigido pela fotógrafa Elaine Eiger e pela jornalista Luize Valente. O tema central é a prática judaica mantida por algumas famílias do sertão nordestino, juntamente com a busca de sua identidade religiosa por vários marranos a partir do momento que tomam consciência de sua condição.

O documentário conta com consultoria e depoimentos da historiadora da USP Anita Novinsky, uma das maiores autoridades em inquisição no Brasil, o genealogista Paulo Valadares, e o antropólogo do Collège de France, Nathan Wachtel.



Se estamos infringindo algum direito autoral, por favor nos comunique para que possamos retirá-lo ou dar os devidos créditos a quem de de direito. Nosso objetivo é somente a divulgação da questão anussim.
Ricardo Torres de Oliveira (B'nei anussim) - pedalegal@gmail.com

2 comentários:

  1. Fiquei muito emocionado com este documentário em razão de pertencer a uma família que também é Anussim; me chamo Carlos Eduardo de Jesus Lucena, sou filho de Walter Pereira de Lucena, neto de Viriato Anselmo Pereira de Lucena e bisneto de Anselmo Pereira de Lucena; congrego em uma Sinagoga no município de São Gonçalo no estado do Rio de Janeiro mas infelizmente não sei muito sobre a minha família; o que sei é apenas que no ano 70 D.C. após a destruição do Templo pelas tropas do General romano Tito, os judeus que conseguiram fuigir foram para a penísula Ibérica mais especificamente na região Norte da Espanha na pequena cidade de Lucena; com a maldita inquisição, os meus irmãos foram para Portugal mas a inquisição para lá se dirigiu e os meu irmãos novamente se viram em apuros e vieram para a colônia chamada Brasil, mais precisamente em Recife onde foi fundada a primeira Sinagoga;peço, por favor a ajuda de voces no sentido de saber mais sobre os Lucena para que eu possa, dependendo daquilo que for descoberto, participar dos movimentos de Alyiah para a minha terra que é ISRAEL; quero viver e morrer lá; amo aquele lugar, sofro por aquele lugar e,se pudesse, morreria por aquele lugar; é um fogo que me consome e que ao mesmo tempo me mantém vivo e com esperança de, antes da minha partida, eu possa andar por aqueles campos, comer dos seus frutos e ser recolhido aos meus pais com o Testemunho da Torá e de Yeshua HaMaschiach. meu E:mail é eduardosefaradita1224@gmail.com Shalom e Chag Chanuká Sameach!!!

    ResponderExcluir

Todo comentário será previamente avaliado antes do mesmo ser publicado.
Favor assinar com o seu endereço de email.
Obrigado.