A INQUISIÇÃO NA BAHIA



No Brasil não foi instituído um Tribunal da Inquisição, a sua jurisdição pertencia ao Tribunal de Lisboa que se encarregava dos casos ocorridos no Brasil e dos outros territórios de além-mar, exceto de Góa que tinha o seu próprio Tribunal. O fato de não ter se instalado um Tribunal por aqui, não quer dizer que a Inquisição não se fez presente na América portuguesa.  Segundo Luiz Mott, por diversas vezes, o Santo Ofício imiscuiu-se arbitrariamente na vida dos baianos, mantendo a ferro e fogo, através de uma rede de espiões, os temíveis Comissários e Familiares do Santo Ofício a hegemonia da Igreja.

Onde não havia Tribunal operavam os Comissários, espécies de Inquisidores locais com poderes de fazer prisões e a obrigação de denúnicar tudo que lhe parecer suspeito. Os mais fiéis e ativos servidores  que a Inquisição teve, foram os Familiares. Como todos os funcionários da Inquisição estavam a salvo de qualquer crítica e censura.
As autoridades inquisitoriais tentaram instalar um Tribunal da Inquisição em Salvador. No entanto a razão de não se ter introduzido este projeto é tema de debates, não havendo um consenso entre os pesquisadores da historiografia da Inquisição. Alguns historiadores advogam a idéia que se fosse instituído um Tribunal na Bahia, teria sido a ruína da economia açucareira, em grande parte dominada pelo capital e empresários cristãos-novos. Segundo Luiz Mott, tal iniciativa significaria incontestáveis detenções de feiticeiros, sodomitas, bígamos, padre libertinos. E ainda afirma: “mesmo sem um tribunal local, a Santa Inquisição, foi o nosso mais temido “bicho papão” durante todo o período colonial”.
Outros autores falam-nos que o que impediu a instituição deste Tribunal, foram razões políticas. A Inquisição chegou a ser inimiga fervorosa da casa de Bragança, e tudo fez para impedir a Restauração dessa dinastia ao trono português. O ódio que nutria os portugueses pela Espanha era bastante conhecido. Minar as fontes de riqueza brasileira seria, pelo menos durante o domínio da coroa de Espanha, seria uma política coerente aos propósitos do Santo Ofício.
Não existe consenso. Quando conhecermos melhor os documentos existentes sobre a ação o Santo Ofício no Brasil, talvez possamos esclarecer alguns pontos que ainda não foram elucidados.
A Inquisição trabalhava com um número considerável de funcionários e auxiliares. Pertencer ao seu corpo significava gozar de muitos privilégios, além de conferir segurança e prestígio. No entanto, segundo Anita Novinsky, para fazer parte de sua organização era necessário pertencer à mesma classe social, e para tal anseio era condição essencial a pureza de sangue. Antes de fazer parte desse grupo líder da sociedade. o candidato tinha que passar por uma série de investigações, a fim de apurar sua vida e a sua origem. Todos os funcionários deveriam passar por um processo de habilitação, para fazer uma investigação de sua vida, não podendo ter sangue impuro, de negro, mulato, cigano, cristão-novo, mouro e judeu.
O material necessário para o funcionamento do Tribunal vinha das denúncias e das delações recebidas. Todos os rumores públicos e maledicências eram captadas pelos auxiliares que o Santo Ofício tinha espalhado pela Bahia. Como nunca se instalou um Tribunal, cabia aos famigerados Comissários e Familiares do Santo Ofício, a temida tarefa de denunciar, prender, seqüestrar os bens, e embarcar para o Reino os suspeitos enquadrados no rol dos crimes do conhecimento da Santa Inquisição.

EYMERICH, Nicolau. Manual dos Inquisidores – Directorium Inquisitorum. RJ: Rosa dos Ventos; Brasília: UNB, 1993, pp. 9-35.
MOTT, Luiz. Bahia: Inquisição e Sociedade. Salvador: EDUFBA, 2010.
NOVINSKY, Anita Waingort.  A Inquisição. São Paulo, ed. Brasiliense 1982.
Cristãos Novos na Bahia: A Inquisição. São Paulo: Editora Perspectiva, 1992.
SARAIVA, Antônio José. Inquisição e Cristãos Novos. Lisboa, Ed, Estampas, 1969.


A história de Elomar Figueira de Melo, um B'nei Anussim baiano de Vitória da Conquista

 Assimilado pela cultura e religião ocidental, mas dotado de uma extrema genialidade musical que corre em suas veias, é chamado de o menestrel da caatinga. reconhecido pelos maiores musicistas clássicos e contemporâneos, prefere  a sua criação de bodes e cabras e sua viola, em lugar de ser exposto a mídia. Canta com sua viola um choro de um êxodo rural dos constantes retirantes sertanejos, porém suas cordas expressam algo além, talvez  o exílio da diáspora.

O Sr. Ernesto Santos Mello, filho de tradicional família de fazendeiros da Zona da Mata do Itambé e da região do Mata - de - Cipó de Vitória da Conquista, casou-se com D. Eurides Gusmão Figueira Mello, de ascendência hebraica (cristão novo da linhagem Figueira e Azeitum). Por dificuldades econômicas ou mesmo por costume da época, quiçá, habitaram nos primeiros tempos a velha casa da Fazenda Boa Vista, propriedade de seus avós Virgílio Figueira e D. Maricota Gusmão Figueira. Ali, naquela velha casa, onde pousaram levas e levas de retirantes flagelados das grandes secas cíclicas do sertão nordestino, aos 21 de dezembro de 1937, nasceu Elomar Figueira Mello, primogênito do jovem casal . 
Aos três anos de idade, em face da fragilidade da saúde do menino, seus pais alugaram, na cidade de Vitória da Conquista, uma pequena casa numa rua chamada Nova. Enquanto seu pai se ausentava por longos períodos na lida de tanger boiadas, D. Eurides, ao som da velha máquina de costura, ganhava o pão, ao tempo em que embalava o frágil menino. Aos sete anos de idade, seus pais deixaram definitivamente a vida urbana, transferindo-se para o campo, onde Elomar com seus irmãos Dima e Neide, perpassou toda infância pelo São Joaquim, Brejo, Coatis de Tio Vivaldo e Palmeira de Tio Kelé. No São Joaquim, berço da 2" infância, cursou parte do primário escolar, completando este e o ginasial na cidade no ano de 1953. 
No ano seguinte, a contragosto seu, deixa o curral, o roçado e os folguedos da vida pastoril, para ir cursar o científico no Palácio do Conde dos Arcos em Salvador. Em 1956, interrompe o curso e volta à terra natal para servir ao exército, passando a morar com sua avó paterna na mesma fazenda, vizinho bem próximo da velha casa onde nasceu. A partir dos dezoito anos, a casa de mãe Neném, sua avó, será sua morada toda vez que voltar de férias da capital, embora visite constantemente sua avó Maricota na cidade e seus pais no São Joaquim. Esta preferência de habitação deve-se ao fato único de mãe Neném, em sendo católica apostólica, ter sido mais tolerante com o tipo de vida do moço poeta, de perfil boêmio. Em 1957, novamente em Salvador, conclui o científico. Em 1958, perde o .vestibular de geologia, face o já grande enredamento com a música nos meios intelectuais dali. Em 1959, faz o vestibular para arquitetura. Conclui o curso em 1964, após o que, incontinenti, regressa de modo decidido e definitivo ao Sertão para, tendo a arquitetura como suporte econômico mínimo, escrever sua obra. 
A música e a poesia essencial, com a força de seus encantamentos, despertaram o compositor numa idade muito tenra, e o poeta, um pouco mais tarde. Aos sete anos, no São Joaquim, os primeiros contatos inevitáveis com a música profana de menestréis errantes, como Zé Krau, Zé Guelê e Zé Serradô, tem maior importância, destacando-se o primeiro pela forma esdrúxula de suas parcelas ou pelas narrativas épicas amargas que já despertavam profundos sentimentos na alma do embrionário compositor. 

É bom assinalar que até então só tinha ouvido a música eclesiástica do hinário cristão, do culto batista evangélico, fé única de sua família da parte de sua mãe. 
Assim que ouviu os primeiros acordes de viola, violão e sanfona e as primeiras estrofes das tiranas dos côcos e parcelas dos três Zés, têm início as primeiras fugidas de casa, pelas bocas-de-noite, não só para ouvir como também, por excelência, para aprender os primeiros tons no braço do violão, o qual será, a partir dali, seu instrumento definitivo. Note-se bem que estas proezas davam-se às voltas e muito às escondidas, pois que não só para seus pais e parentes, como também para toda sociedade de então, labutar com música era coisa para vagabundo. Tocador de violão, viola ou sanfona, era sinônimo de irresponsável. As primeiras composições datam dos onze anos. Já a partir dos sete , oito anos quando vinha à cidade, toda noite ia à casa do Tio Flávio ouvir no rádio uma música estranha executada com instrumentos estranhos diferentes do violão , viola , sanfona etc... Música esta que mal começava logo, terminava. Anos mais tarde ao chegar a capital descobre que aquela música era a protofonia de “O Guarani” e quando mortificado também descobre escrita musical, a partìtura e o que mais lhe causou espanto: a existência de milhares de músicas, escritas por milhares de compositores que viveram a partir de centenas de anos passados. 
Aos 17 anos, já lê bem e mal escreve. Começa, então, nesta idade propriamente as composições literárias e musicais numa seqüência interminável, mas sem ainda ter uma linha definida. Destas Calendas são: Calundu e Kacorê, Prelúdio nº Sexto, Samba do Jurema, logo após, Mulher Imaginária, Canção da Catingueira e abertura de O Retirante. Em 1959-1960, começam a lhe chegar idéias de trabalhos maiores em envergadura e vai compondo aleatoriamente o ciclo das canções. Contudo, sempre preso à mesma temática, as vicissitudes do homem, seus sofrimentos, suas alegrias na terrível travessia que é a sua vida e, sobretudo, seu relacionamento com o Criador. Isto, é claro, a partir do seu elemento circunstancial, o Sertão, sua pátria. Verdadeiramente, onde vive. 
Em 1966, já arquiteto e morando no sertão, casa-se com Adalmária, doutora em Direito, e filha da capital, contudo de orígem "sertaneza", da qual nascem Rosa Duprado, João Ernesto e João Omar. Enquanto muito trabalha à arquitetura menos vai compondo, sonhando com certa estabilidade econômica (que nunca chegou) para dedicar-se integralmente à música. João Omar, Maestro e Compositor, acompanha o pai desde os nove anos de idade. 
Em 1969, sela o caderno da sua primeira ópera, o "Auto do Catingueira", mais tarde, parcialmente partiturada, face o caráter popular da obra. Durante a década de 70, projetou muito da arquitetura e um pouco mais na música. No começo dos anos 80 inicia a carreira de peregrino menestrel, de viola na mão, errante, de palco em palco pelos teatros do país, conquistando uma pequena platéia composta de poetas, músicos, compositores e de intelectuais de linhagem pura, sem modernosas e, por fim, de simples pessoas do povo, atraídas mais pela linguagem dialetal, a temática sertânica e as melodias fora de moda e (segundo Dr. Raimundo Cunha) indançáveis. 

A partir daí, quando já abandonando a profissão liberal e em firmando-se mais fundamente na composição, compõe a Fantasia leiga para um Rio Seco, confiando a escrita orquestral a seu amigo e patrício de sertão Maestro Lindembergue Cardoso, por ainda ser ananota em escrita para orquestra. Em 1983, por ocasião da gravação do Auto da Caatingueira, na Casa dos Carneiros, fazenda onde mora desde 1980, faz sua primeira incursão no universo orquestral, quando partitura a abertura do Auto da Caatingueira para violão, flauta e violoncelo. 
A partir de 1984, ainda na fase das canções, começa a esboçar a seqüência das óperas e das antífonas. É quando escreve as antífonas: I - Loas para o justo - para barítono e quarteto misto; II - Balada do Filho Pródigo - para tenor, coro e orquestra; a IV - Meditações a partir de Romanos VII - para coro e orquestra. Em 1993, a XI - Alfa - para violão e orquestra, ou seja, um concerto para violão e orquestra. 
As antífonas de números VI, VII, VIII, IX, X, XI Beta e XI Delta estão praticamente compostas, faltando apenas irem para a partitura. Por outro lado e paralelamente às antífonas, a partir de 84, começa também mais propositadamente a fase das óperas, porquanto já estão em partitura. A Carta, ópera em quatro cenas, O Prólogo de O Retirante, ópera em dois atos. As outras óperas, Faviela, O Peão Mansador, A Casa das Bonecas, Os Poetas são Loucos, mas Conversam com Deus, De Nossas Vidas Vaporosas "ensaios", Os Lanceiros Negros e os Pobres, os Miseráveis e os Desvalidos, já estão quase todas compostas, faltando tão somente serem partituradas. 
Ainda em paralelo vem a série dos Galopes Estradeiros, que trata de sinfonias compactas. Desta já se encontra em partitura o primeiro Galope Estradeiro. O segundo, o terceiro e o quarto já estão mais do que esboçados. 
Quando deixou a fazenda, a vida na capital lhe foi muito severa. Tanto nos tempos de estudante interno como durante os anos de faculdade, onde nas casas-de-pensão que habitara mal conseguia lugar nos porões, junto a ratos e aranhas. O normal era ir dormir com fome. O pouquinho dinheiro que sua mãe lhe mandava gastava com aulas, cordas de violão, e compras de partituras e livros, o que era escasso e muito caro naquela época.

Numa certa feita, pelos idos dos anos de 1960, durante um rigoroso inverno, quase morre entrevado e à míngua num frio porão de uma casa-de-pensão na Avenida Sete, onde foi valido, abaixo de Deus, por uma estudante de enfermagem, mineira, que lhe dava o alimento de colher na boca, por impossibilidade de movimentar pernas, braços e pescoço gravemente atacados por inesperado reumatismo poli-articular agudo. Lurdinha era seu nome. 
Nestas circunstâncias foi forjado o cantor dos "Retirantes", o poeta de "Os Pobres, os Miseráveis e os Desvalidos". 
O ano que passou em sua terra natal, a serviço da pátria, foi de grande importância em sua formação musical, pois que na convivência de primos, de amigos, poetas e cantores, livre de maiores responsabilidades com os estudos, conheceu de perto a música nacional urbana, a seresta, o samba e o tango argentino. São seus contemporâneos deste gosto: Camilo de Jesus Lima, Euríclides Formiga, Chagas, o seu tão querido tio Valter, brilhante cantor, junto a mais de meia centena de primos e amigos mais ou menos da mesma idade, os quais durante o dia estudavam ou lidavam nas fazendas circunvizinhas. Nas noites, era o declamar Cecéu, recitar Kayan, Lamartine, Rabelo da Silva, Camões e violões e serestas nestas marés, muitas e tantas vezes tentava mostrar suas composições... - "Para, para, para" gritavam. É que sua música nova doía nos ouvidos d'antanho.

Durante o dia, passava roupa a ferro com os seus primos Mouvê e Lupen e o Seu irmão Dima, com o fim de ajudar sua vó "mãe" Neném fazer a feira. Era de extrema simplicidade a casa da vó, que, sempre rastreada pela pobreza, vivia unicamente de aluguéis do pequeno mangueiro onde morava. Durante a semana, e mais nas sextas e sábados, ali na Boa Vista, pousavam tropeìros e viajantes que vinham para as feiras ou passavam pela cidade. Não havia luz elétrica, nem água encanada. Elomar compunha à luz de fifó. 
Estas lembranças, estas marcas vivas de todo um passado amargo e alegre, vão permear sua obra por todo o percurso; desde as parcelas e tiranas dos primeiros tempos até as óperas e galopes dos últimos dias. 
Atualmente, Figueira Mello já um pouco mais adiantado na estrada, aos seus 63 anos de idade, continua compondo intensamente, varando os dias e as noites sem descanso. No seu labutar, confessa que tem de escrever sem perda de tempo, pois que a obra é imensa e o tempo já declina pela tarde. Já deixou a Casa dos Carneiros, na Gameleira, onde demorou por um bom tempo de sua vida e donde saiu o grosso do ciclo das canções. Ali de volta, pretende concluir sua obra bem longe, bem distante dos mundos urbanos, pois que não só sua obra, como também sua própria pessoa, não é outra coisa senão antagônicos dissidentes irrecuperáveis de sua contemporaneidade tendo em vista sua formação estritamente clássica e regionalista. Daqui leu todos os poetas, escritores e profetas hebreus; leu os mélicos e os clássicos gregos; os latinos, incluindo Esopo e o Fedro; os italianos, franceses, ingleses, espanhóis, russos e, por último, os alemães, tendo, é claro, antes disto perpassado pelos essenciais patrícios. 
A partir dos dezessete, já enveredava-se pelas novelas de cavalaria em leituras longas e sonhadoras. Bate-se frontalmente com a chamada arte contemporânea. Horror à dita cultura ( que segundo ele é um DX, salvo o bom cinema) estatudinese da América do Norte, o que lhe traz à lembrança palavras de antigas profecias "sertanezas", que sentenciaram: "que haverá de chegar um tempo de baixar os muros e levantar os munturos - vivemos o tempo do culto às nulidades. São os minimalismos que estão chegando....", clama o compositor. 
Assim, para Figueira Mello o que importa é concluir suas óperas, antífonas e galopes, pôr tudo em partituras a nanquim e enfardados em campa antiga, guardar o monobloco passageiro do tempo até a estação futura, bem-vinda quadra remota, onde o aguarda uma geração que, por justiça, haverá por certo de ouvir e amar sua música tão fora de moda nestes dias. Ó Tempora! Ó Mores!
Estamos somente apreciando uma cultura musical inigualável e de forma alguma questionando a sua decisão em estar assimilado ou não com o cristianismo, pois seu conhecimento e cultura lhe dá todo o direito de escolha, porém, quantos anussim existem, principalmente sertão à dentro que não tem sequer o direito de saber que o sangue que pode estar correndo em suas veias, tem o DNA marcado por Eretz Israel. 

Compilado por Ricardo Torres de Oliveira - Retirado de Biografia - Elomar Figuera de Melo.

Hear his guitar


3 comentários:

  1. Shalom Ricardo Oliveira,

    Sou L. Gustavo O. Sousa, moro no bairro de Santa Cruz, Rio de Janeiro. Já estive na Beit El Shamah, inclusive comecei a comprar as apostilas do seminário, porém infelizmente por motivo de força maior tive que optar por continuar os estudos em época mais oportuna.
    Bom, na verdade meu contato se dá por causa da minha pesquisa sobre meus antepassados, judeus ou não, estou nesta busca difícil. Procurando encontrei teu site e falando sobre inquisição na Bahia, me interessou, pois a família de minha mãe é de Salvador. Comecei a fazer minha árvore genealógica, fui até meus tataravós, porém só de nomes, datas e locais de nascimento está mais difícil.
    Enfim, você poderia contribuir com minhas pesquisas? Você saberia mais informações sobre os b'nei anussim de Salvador?

    este é meu site: www.shemah-israel.com, caso queira dar uma olhada fique a vontade.

    ResponderExcluir
  2. Shalom L Gustavo, é um caminho bem difícil e trabalhoso, porém se você chegou até seus tataravós, você pode ir no local onde eles nasceram e procurar a igreja onde foi registrado o batismo de seus tataravós. A partir daí, você terá nomes dos pais e avós deles. É possível!

    ResponderExcluir
  3. A mãe de minha avó é de Estância-SE, um professor de história e pesquisador que é de lá, porém está no RJ, está me ajudando. O pai de minha avó, acredito que seja de Inhambupe-BA.
    Existe um site da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, que dispõe de um grande arquivo digitalizado das igrejas da Bahia, infelizmente não tem de Salvador.
    Mas é isso, vou continuar firme na minha busca, e espero que eu seja surpreendido com uma boa notícia no final.
    Shalom!

    ResponderExcluir

Todo comentário será previamente avaliado antes do mesmo ser publicado.
Favor assinar com o seu endereço de email.
Obrigado.